sábado, 31 de outubro de 2009

As interações ecológicas nos ecossistemas: onde o ser humano entra nessa história?

Oi pessoal. Segue a postagem com a última aula.


Relações desarmônicas:


Nessas relações algum dos indivíduos envolvidos irá ter algum tipo de prejuízo. Porém, é importante lembrar que, apesar de serem classificadas como "desarmônicas" essas relações são extremamente importantes para o equilíbrio natural da biodiversidade.


Competição:  “é qualquer uso ou defesa de um recurso por um indivíduo que reduz a disponibilidade daquele recurso para outro indivíduo." (RICKLEFS, 2003)

Competição intra-específica: regulação populacional, sobrevivência dos indivíduos geneticamente mais eficientes.
Competição interespecífica: redução mútua de população (que pode levar a extinção – casos de espécies exóticas).
Competição entre machos da mesma espécie (lutas e canto) pelo recurso "fêmea".

Predação: Um animal se alimenta de outro no caso de animais alimentando-se de plantas, damos o nome de herbivoria). Tem enorme importância na regulação populacional.
Adaptações dos predadores para explorar suas presas: estrutura dentária, garras, mandíbulas extensíveis.
Adaptações das presas: coloração críptica (coloração ou forma do corpo que se confundem com o ambiente ou hábitat do animal), coloração de advertência (coloração berrante ou comportamento de agrupamento que alertam o predador), mimetismo mülleriano (semelhança mútua de duas ou mais espécies impalatáveis, notavelmente marcadas , para intensificar a rejeição dos predaores).
Grilo-folha: exemplo de coloração críptica.
Bicho-pau


Relações harmônica - Parte II

Oi gente, 
para a postagem não ficar muito grande, segue a parte II da aula II:


Comensalismo: Apenas um dos “sócios” é beneficiado, enquanto o outro não sofre prejuízo algum.
Tartaruga e rêmora / orquídea sobre uma árvore (exemplo de epifitismo)

Colônias: Associações de indivíduos da mesma espécie, que se mantêm anatomicamente ligados entre si. Pode haver ou não divisão de trabalho.



Colônia de corais 1, Colônia de anêmonas 2 e 3, Caravela - Colônia de  cnidários 4.

Sociedades:
Grupos de indivíduos da mesma espécie, não ligados anatomicamente e que se organizam de modo cooperativo.
Nesse tipo de relação há uma série de comportamentos “doadores e receptores”.
Altruísmo – seleção de parentesco. 


Links dos vídeos utilizados nessa aula:

http://www.youtube.com/watch?v=FqDWoxqeGJ4&feature=related (Formigas - mutualismo com fungos e sociedade)

(*As fotografias dessa postagem foram retiradas do Google Imagens.)


As interações ecológicas nos ecossistemas: onde o ser humano entra nessa história?

Oi gente!
Segue a aula II. Não esqueçam de olhar a postagem anterior (deve estar escondida no histórico) que tem a primeira aula.


Relações harmônicas


Mutualismo: É uma associação entre duas espécies na qual ambas as espécies se beneficiam. Pode ser um mutualismo obrigatório ou um optativo (protocooperação).



Coevolução: Quando as populações de duas ou mais espécies interagem, cada uma pode evoluir em resposta àquelas características da outra que afetam seu ajustamento evolutivo (Ricklefs, 2003)
Simbiose: “viver junto”
Líquen

Micorriza
Bactérias do gênero Rizhobium em associação com planta.
Bactérias no rumen dos ungulados.
Peixe limpador
Peixe-palhaço e anêmona
Paguro e anêmona
Crocodilo do Nilo e pássaro-palito
Exemplos de mutualismo de dispersão, onde o animal se alimenta de néctar e carrega o pólen da flor para outra, contribuindo com a reprodução da planta.
Links para os vídeos do youtube com exmplos de mutualismo:
http://www.youtube.com/watch?v=arOD13NAS5U&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=t_bFtJclaGs&feature=related



As interações ecológicas nos ecossistemas: onde o ser humano entra nessa história?

Oi galera do E.E.B. Maria Tereza!


Desculpem a demora para postar as aulas, mas meu pc estragou esta semana...


Bom, segue então a primeira postagem com o conteúdo da aula inicial:


Alguns conceitos ecológicos...

Ecossitemas: (grego oykos, casa + σύστημα, sistema onde se vive) "Todas as partes do mundo físico e biológico que interagem" (RICKLEFS, 2003)
- Comunidades: Associação de populações interagindo, normalmente definida pela natureza de sua interação ou pelo lugar em que vivem. (RICKLEFS, 2003)
                            
- População: Grupo de organismos de uma determinada espécie que habita uma certa área. (RICKLEFS, 2003)



Relações ecológicas interespecíficas: São relações que ocorrem entre seres vivos de espécies diferentes.


Relações intra-específicas: São interações que ocorrem entre seres vivos da mesma espécie.


Relações harmônicas: São relações entre seres vivos, onde não ocorre prejuízo para nenhuma das partes.



Vídeo utilizado nesta aula (link para youtube):


Referências:

Todas as imagens utilizadas aqui foram retiradas do Google imagens.
RICKLEFS, Robert E. A economia da natureza. 5ª Ed.Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003.


quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Dia dos professores...

Quando fecho os olhos e tento me lembrar dos meus anos da escola, remonto os pátios cheios de crianças, as brincadeiras de elástico e pula corda, a poeira de giz que insistia em grudar nas nossas roupas, um ou outro amigo e principalmente dos professores inesquecíveis.
Não vou negar que era um tanto sapeca e que dei trabalho para alguns professores, mas via neles uma figura de respeito. De mestre mesmo, a quem eu devia adimirar e confiar . Nos meus anos de escola fui tão fã de alguns professores que a imagem deles acabou ficando grudada em mim e, como professora, acabo levando para minhas aulas um pouco do jeito de cada um desses que me foram especiais.
Quem nunca teve uma professorinha do primário que, tal qual a professora Helena da novelinha Carrossel, era querida por todos, como nosso porto seguro? Aquela que soprava os ralados nos joelhos, colocava "estrelinhas" no nosso caderno, contava histórias e dava broncas quase rindo... Sinto imensas saudades dessas primeiras "tias-mestras".
Tantos outros que passaram por minha vida e que tem um lugar especial na memória.... Alguns ensinram-me muito além do conteúdo, das funções de x, dos sujeitos indiretos,das mitocôndrias.... Esinaram-me a encarar a vida, a buscar meus sonhos, a ser correta e honesta. Muitas vezes, nem tinham essa intenção, mas acabavam sendo conselheiros, psicólogos e amigos.
Hoje, como professora, tento me espelhar em alguns dos mestres da minha vida. Nem sempre é fácil ser a professora-engraçada-divertida-amiga-conselheira, afinal como todo profissional (ou como todo ser humano) temos nossos dias de cansaço, de desânimo e impaciência. Por isso, querido aluno, não fique triste se algum dia não lhe dispensei a atenção necessária, fui injusta ou não dei "aquela aula" - talvez fosse apenas exaustão, nada a ver com você. Espero que um dia você possa lembrar de mim como a professora Ju, que te ensinou coisas legais e que te mostrou um mundo diferente, assim como eu me lembro de alguns professores queridos. Pois como tudo na vida, sei que no fim acabamos lembrando apenas das coisas boas com carinho. Meus professores mais queridos foram aqueles que também me deram um puxão de orelhas na hora certa e, hoje, sei que eles queriam apenas o meu bem. Lembre-se também, meu querido "pestinha" que a maior recompensa na profissão de professor é chegar ao fim do dia - depois do cansaço, da bagunça, dos trabalhos esquecidos - e saber que o esforço valeu a pena. Que fulano melhorou a nota, que ciclano progrediu com a sua ajuda, que a turma adorou sua aula...
Bom, desejo que todo professor tenha um cantinho especial na memória de seus aprendizes. Feliz dia dos professores para todos meus queridos mestres e colegas de profissão!

Fotografia da minha turma da 4ª série em um passeio de estudos e minha querida "tia" Sandra.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Teatro de fantoches! (Parte 2 )

        Às vezes me acostumo a acordar mal humorada. Carrego por muitos dias o olhar quadrado e carregado de descrença. Às vezes ser professora desanima, cansa, desgasta. Mas em muitos outros dias me obrigo a deslocar esse meu olhar, sacudir a poeira e ver o lado bom da profissão. O maior lado, a melhor visão. E é nesses dias que vem as maiores recompensas... Quando você vê que seus alunos entenderam o recado, interiorizaram o que aprenderam. Melhor ainda é quando alguns vão além, querem espalhar o que  cultivaram durante nossos encontros e desencontros...
        A atividade do teatro, que postei há alguns dias, é um exemplo desses dias recompensadores na minha vida de professora. É como um novo fôlego, para construir outras realidades, tecer outros olhares.
        Gostaria de compartilhar aqui no meu blog esta experiência, postando o vídeo da atividade na qual meus alunos Amanada, Willian e Maria Eduarda produziram fantoches, criaram texto e música e construíram esse teatrinho, que me dá um grande orgulho.
         As imagens foram feitas por outro dos meu queridos estudantes, Rérisson, que gentilmente (e muito empolgado) gravou o teatrinho para que eu pudesse postar aqui no meu blog.

Descrição do vídeo:

Meias antigas, pedacinhos de papel e tecido, bolinhas de isopor, vontade de mudar o mundo e muita criatividade! São esses os ingredientes que meus queridos alunos Amanda, Willian e Maria juntaram para criar um pequeno espetáculo que fala sobre reciclagem e proteção do meio ambiente... Veja e imagine: ...Há muito tempo atrás, numa época distante, qundo o Sol brilhava para o mundo... 


http://www.youtube.com/watch?v=Eof0ruT9iyw 



Obs: Quem quiser ver "ao vivo" esse teatrinho, pode dar uma passadinha no Colégio Educar em Biguaçu para prestigiar nossa Feira Cultural.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Anorexia e Bulimia

Oi galera!

Essa postagem é especial para a Fabi e a Tutu do 8º ano matutino.

Usei estes vídeos na aula sobre padrões de beleza com os 5ºs anos, alguns são propagandas da marca de cosméticos Dove, outros são campanhas que divulgam o problema da anorexia e da bulimia. Espero que aproveitem!

Beijocas,

Professora Juju
video video video

Obs: Bom, amanhã eu posto mais! é que a internet aqui está lenta demais!

Aulas de Ciências com arte



A produção de resíduos é inerente à condição humana e inexorável. Por tal motivo, banalizamos o lixo produzido no nosso dia a dia. Mas a lata de lixo não faz mágicas! Os resíduos continuam existindo mesmo depois que o jogamos na lixeira. Assim, os restos de embalagens, alimentos e outras coisas das quais nos desfazemos tem se tornado um problema de proporções assustadoras, principalmente nas grandes cidades.
Pensando nisso, os estudantes dos sextos anos vivenciaram durante este bimestre nas minhas aulas todo o processo de produção do lixo, desde o consumo exagerado, passando pela produção dos resíduos nas nossas casas e chegando ao seu destino – inadequado na maioria das vezes. Para isso, foram utilizados textos de jornais, filmes como “Ilha das Flores” e a “História das Coisas”, assim como vários comerciais de ONG como Greenpeace e SOSMata Atlântica, além de diversas dinâmicas e discussões.
Para concluir o assunto, os estudantes foram estimulados a soltar a criatividade e montar um teatro usando os conhecimentos que adquiriram durante essas aulas. Os resultados foram incríveis! Alguns alunos, seguindo o que aprenderam, reaproveitaram materiais como meias velhas, garrafas PET e papéis usados para montar fantoches que, além de pedir um mundo melhor, cantavam e dançavam fazendo as crianças de outras turmas do Ensino Fundamental aprenderem se divertindo.
Bom, a idéia é aprender a construir um mundo melhor, certo? E porque não fazer de maneira divertida?
Veja abaixo algumas imagens das peças: